Quarta, 10 Agosto 2022

Telefone: 63 3214-1853 | Whatsapp: 63 98403-8418 | E-mail: [email protected]

Café Central

Varíola dos macacos: Brasil não pode repetir os erros da COVID, precisa ser ágil na compra de vacinas

Publicado em: Quinta, 04 Agosto 2022 18:33 Escrito por Ana Paula Rogers
Avalie este item
(0 votos)
Segundo a especialista, Soraya Smaili se não forem adquiridas mais doses, há o risco de o país repetir os mesmos erros cometidos na pandemia de covid-19 Créditos da imagem: Reprodução Segundo a especialista, Soraya Smaili se não forem adquiridas mais doses, há o risco de o país repetir os mesmos erros cometidos na pandemia de covid-19

O Brasil precisa comprar mais vacinas contra a varíola dos macacos. É o que diz a professora Soraya Smaili, farmacologista da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, reitora da universidade no período 2013-2021 e coordenadora do Centro SoU_Ciência da universidade.

De acordo com o governo, a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) e a OMS (Organização Mundial de Saúde) vão destinar 50 mil doses da vacina contra a doença para o Brasil. Destas, 20 mil estão previstas para chegar em agosto e 30 mil apenas em setembro.

Entretanto, segundo Soraya, se não forem adquiridas mais doses, há o risco de o país repetir os mesmos erros cometidos na pandemia de covid-19. “A gestão sobre a situação atual é bastante deficiente novamente e atrasada”, afirma Soraya.

“Há quase dois meses, vários especialistas têm falado aqui no Brasil sobre a necessidade de prepararmos o ambiente porque a transmissão do vírus iria se acelerar em nosso País. Vários acadêmicos e pesquisadores têm falado e as autoridades não tomaram as providências. Isso não foi levado em consideração pelas autoridades”, avalia também.

Na visão de Soraya, apenas agora que o Brasil é o segundo país em maior número de casos no mundo é que o Ministério da Saúde tomou a iniciativa de fazer um pedido de 50 mil doses de vacina, que na verdade é uma quantidade insuficiente para cobrir as necessidades do Brasil. Além disso, mesmo que se aumente o número de doses, elas podem não ser suficientes para resolver a situação da transmissão agora.

“Ainda não sabemos como serão aplicadas estas 50 mil vacinas. Elas devem ser administradas principalmente nas pessoas com imunodeficiência, que são mais vulneráveis e que podem ter uma doença mais grave. Além disso, os profissionais de saúde que manipulam amostras ou que têm contato, também precisam ser vacinas. Está claro que as doses encomendadas não serão suficientes para atender, nem de perto, a necessidade do nosso país”, considera Soraya.

Transmissão

Também na visão da farmacologista, o Ministério da Saúde e os gestores dos Estados e Municípios devem fazer uma ampla campanha de conscientização sobre a transmissão. “Ainda há muitas coisas que são incertas, mas a campanha é absolutamente necessária, principalmente naquilo que a gente já sabe, que é a transmissão pelo contato de pele, contato próximo. Esta parte deveria ser mais bem clarificada pelas autoridades sanitárias para a população”, diz Soraya.

“É importante explicar sobre a transmissão pelo contato de pele e sobre os cuidados a serem tomados, que devem ser bem explicado para a população. Além de tudo, é preciso também não permitir que se crie um estigma de que é uma doença de homens que fazem sexo com homens. Isso não pode ser colocado dessa forma, pois a transmissão ocorre independente disto, então é errado que se pense que é uma doença restrita a um grupo social”, complementa.

Até o momento, o Brasil registrou 1.369 casos da varíola dos macacos, com uma morte em Minas Gerais. Este foi o primeiro óbito pela doença fora do continente africano. Os casos estão divididos da seguinte maneira:

São Paulo (1.031), Rio de Janeiro (169), Minas Gerais (63), Paraná (21), Distrito Federal (20), Goiás (18), Bahia (11), Pernambuco (7), Santa Catarina (7), Rio Grande do Sul (6), Mato Grosso do Sul (5), Ceará (4), Rio Grande do Norte (2), Espírito Santo (2), Tocantins (1), Acre (1) e Amazonas (1).

Soraya explica que a terminologia que está sendo usada no Brasil para a doença é Monkeypox, em inglês. “Mas é importante que não fique marcado que os macacos seriam os causadores da doença, porque este virus também infecta seres humanos. Os macacos não são culpados de nada”, detalha.

Compartilhar nas redes sociais

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Notícias em destaque

O Portal Agora-TO é um site de notícias voltado para a divulgação de informações do Tocantins e do Brasil e é editado sob a responsabilidade da Moara Comunicação Ltda, empresa sucessora da Dias e Vallim Ltda., com 23 anos de experiência na área de comunicação e jornalismo.

Newsletter

Cadastre-se em nosso Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias e novidades do Agora Tocantins.

Fique tranquilo, seu e-mail estará 100% protegido. Odiamos spam!